quinta-feira, 18 de março de 2010

O PARENTESCO CORPORAL E O PARENTESCO ESPIRITUAL


...
Há, pois, duas espécies de famílias: as famílias pelos laços espirituais, e as familias pelos laços corporais; as primeiras duráveis, se fortalecem pela depuração, e se perpetuam no mundo dos Espíritos, através de diversas migrações da alma; as segundas, frágeis como a matéria, se extinguem com o tempo e, frequentemente, se dissolvem moralmente, desde a vida atual. Foi isso que Jesus quis fazer compreender em dizendo aos seus discípulos: Eis minha mãe e meus irmãos, quer dizer, minha família pelos laços do Espírito, porque quem quer que faça a vontade de meu Pai que está nos céus é meu irmão, minha irmã e minha mãe.
...

6 comentários:

*Teresa Cristina* disse...

E familia é a base de tudo....é o laboratório para o nosso crescimento espiritual e moral...é o ponto de partida.
Esta passagem do Evangelho é enriquecedor demais!!
Td de bom pra ti!bjss♥

JR disse...

A familia espiritual nos dá o alicerce necessário para continuar a cavalgar junto a familia carnal.
Todos os espiritos hoje reunidos em vestes corporais ,certamente farão parte amanhã da grande familia espiritual.
Abraços fraternos para estas amigas que hoje fazem parte da nossa familia virtumaterial.

Jorge disse...

A família e a base do nosso crescimento espiritual.

Um beijo e uma semana de muita alegria e paz!!
Beijo!

Maria José disse...

Família é tudo. A Espiritual, eterna, durável, nos sustenta e nos dá força para enfrentarmos nossas reencarnações. A consanguínea, nos ensina o que precisamos aprender, nos faz amar e resgatar nossas dívidas passadas. Ambas são muito importantes para a nossa vida. Beijos, amiga e tenha uma semana de muita paz.

Gislene disse...

AS AFINIDADES SÃO ETERNAS, NÃO IMPORTANDO NEM O TEMPO E NEM O ESPAÇO...
JESUS É O NOSSO MAIOR MESTRE, E SOMENTE DELE PODERIA VIR TÃO GRANDE ENSINAMENTO!!!
UM BEIJÃO PRA VC ELIZABETH!
FIQUE COM DEUS.

Jorge disse...

Compreende-se dos porquês das famílias e suas dificuldades e facilidades.


Amigas, um doce beijo,
Jorge